Entrevista Exclusiva: “Hoje, o comércio já vem funcionando três dias por semana, acredito que o setor possa voltar a funcionar diariamente respeitando os protocolos”

No último dia (16), mesmo dia que o Governo do Estado divulgou o 51º Mapa de Risco Covid-19, onde os números eram de 418.642 casos confirmados e 8.776 óbitos. O presidente da Assembleia Legislativa Deputado Estadual Erick Musso (Republicanos) usou sua conta no Twitter, para se manifestar sobre abertura do comércio em geral no Espirito Santo.

“A situação tem que ser avaliada com muito critério, levando-se em conta que temos uma taxa de desemprego que atinge 14 milhões de brasileiros no momento”, Deputado Erick Musso.

Para saber um pouco mais sobre essa posição do Chefe do Poder Legislativo Capixaba, o Radar Capixaba, fez uma entrevista exclusiva com o deputado.

Veja a seguir o que pensa o parlamentar dessa complexa situação que o Espirito Santo atravessa, e sobre a crescente manifestação de comerciantes pela aberturas de suas empresas e comércios.

 

Radar Capixaba: No último dia (16), através da sua conta no Twitter, o senhor tornou público que é a favor da abertura diária dos comércios, uma posição que vai contra a atual política do Governo Estadual, o senhor tomará alguma medida para levar essa agenda em frente?

Erick Musso: O comércio é um dos setores que mais emprega no país. A situação tem que ser avaliada com muito critério, levando-se em conta que temos uma taxa de desemprego que atinge 14 milhões de brasileiros no momento.

Defendo a abertura do comércio respeitando todos os protocolos médicos e sanitários de segurança. Hoje, o comércio já vem funcionando três dias por semana. Isso pode até gerar algum tipo de aglomeração. Então, acredito que o setor possa voltar a funcionar diariamente respeitando os protocolos.

Com responsabilidade e compromisso coletivo isso é possível. A Assembleia Legislativa sempre teve com o Governo do Estado, desde o início da crise, uma parceria que vem surtindo efeitos positivos para a população capixaba.

O caminho é o diálogo entre os poderes e o setor, que vem sofrendo muito com as consequências econômicas da pandemia.

Radar Capixaba: A Assembleia Legislativa tem sofrido muita cobrança ou críticas por parte dos empresários por tanto período de quarentena e lockdown?

Erick Musso: Essa é uma discussão que não envolve apenas o Executivo, a Assembleia e o empresariado. A manifestação desse setor é legítima porque ele que faz a economia girar. Afinal, estão preocupados com a manutenção de seus investimentos e dos empregos de centenas de milhares de capixabas.

Críticas, cobranças, contra-argumentos fazem parte de nosso dia a dia como uma casa de leis. Não existe nada de absolutamente anormal.

Sempre tivemos como foco ouvir todos os setores sociais e produtivos e manter o diálogo em um nível elevado. A conjuntura do momento é que nos leva a refletir o que é melhor para o momento.

Radar Capixaba: Sabemos que existem outros deputados que compartilham do mesmo pensamento do senhor em relação a abertura dos comércios, já existem alguma articulação desse grupo para elaborar alguma proposta para apresentar ao Governador?

Erick Musso: O que posso dizer é que o parlamento está tratando o assunto com muita consciência e responsabilidade. Estamos do lado da manutenção dos trabalhos do setor, mas ainda mais da saúde e da vida do capixaba. Como sempre aconteceu, vai prevalecer o ambiente de muito diálogo.

Radar Capixaba: No último dia 16 o Governo Estadual divulgou o 51º Mapa de Risco Covid-19. Mesmo após mais de um ano com as medida sanitárias de prevenção adotadas no Estado, já chegamos a 418.642 casos confirmados e 8.776 óbitos.

Será que após tantos óbitos a Assembleia já não deveria ter se posicionado de forma mais firme?

Erick Musso: A Assembleia Legislativa nunca deixou de se posicionar de forma veemente para salvar a vida dos capixabas e preservar a economia. Sempre atuamos em conjunto com o Governo, aprovando importantes projetos do Executivo e também de autoria dos parlamentares. O Espírito Santo não é bolha sem ligação com a realidade vivida pelo país.

Tivemos uma nova cepa do coronavírus que aumentou em muito a taxa de transmissão entre a população. Também vários países do mundo vêm enfrentando esse mesmo desafio. Os números no Estado estão altos? Nesse momento sim, como em todo o país.

Mas temos visto boas iniciativas na tentativa de evitar o colapso do sistema hospitalar. O que reverterá essa situação será a vacinação em massa da população. Assim mesmo, nunca deixando de seguir os protocolos médicos.

“Estamos diante de uma situação que é classificada como a mais grave dos últimos 100 anos”.

Enfim, é uma situação complexa que exige muito de todo o poder público.

Radar Capixaba: Como a Assembleia tem agido para acompanhar e fiscalizar os gastos dos recursos no enfrentamento do vírus?

Erick Musso: Uma das funções da Assembleia Legislativa é a de fiscalizar os gastos do governo. E não estamos nos furtando disso. Todos nós, deputados, estamos atentos às ações do Governo e acompanhando tudo de forma permanente.

Radar Capixaba: A população pode esperar para os próximos dias algum posicionamento mais enérgico por parte dos Deputados Estaduais no enfretamento ao Covid? Poderia citar alguns exemplos?

Erick Musso: O que fazemos, desde o início da crise, é discutir e votar projetos que estejam de acordo com as reais necessidades da população capixaba. Recentemente, por exemplo, aprovamos o Cartão ES Solidário, matéria do Governo do Estado, que está beneficiando quase 90 mil famílias com três parcelas de R$ 200.

E ainda um pacote de medidas econômicas de R$ 1,8 milhão para amenizar os efeitos da crise provocada pela pandemia.

E tivemos a iniciativa, como da primeira vez, de recolher doações e distribuição de cestas básicas para ajudar as famílias mais vulneráveis do nosso Estado. O que deve ter nesse difícil momento é iniciativa de tornar essa situação mais sustentável. Nada de medidas extremas. Elas já se mostraram ineficientes.

Reafirmo que devemos olhar para o todo. A vida em primeiro lugar, oferecer condições para que o cidadão possa trabalhar com segurança e que os comerciantes consigam tocar seus negócios, fazendo a economia girar e voltar a crescer.