Teatro Pitágoras lotado para ver comediante Victor Camejo

08-04-2019   Weverton Langa Imprimir

Com a plateia lotada, aconteceu no último sábado 06, o tão esperado show do comediante Victor Camejo no auditório da faculdade Pitágoras em Linhares.

O comediante muito atencioso concedeu uma entrevista exclusiva ao site Radar Capixaba, onde tivemos a oportunidade de trazer para nossos leitores um pouco da vida desse grande comediante do stand up comedy do Brasil.


Veja como foi:

 

Radar Capixaba: Depois de 10 anos vivendo essa experiência de subir ao palco e fazer as pessoas rirem, ainda sente o frio na barriga antes de iniciar o show?

Vitor: Sinto isso todos os dias, acho que vai chegar um dia que eu não vou aguentar, vou começar a enfartar e vou acabar me mandando do palco de tanto nervoso, (risos).

Uma vez eu estava conversando com um amigo meu, Cláudio torres, estávamos nos bastidores de um teatro, o Cláudio é um senhor roteirista, já escreveu para diversos humoristas e programas de tv do Brasil.

Ele estava super nervoso, então ele virou pra mim e disse, “O dia que eu não sentir mais isso, eu paro de fazer”.  

E tipo, isso é muito verdade. Por que o nervosismo vai sempre existir, e no dia que agente não sentir mais essa ansiedade, é sinal que já é hora de parar.

Radar Capixaba: Vitor, sabemos que todo inicio de carreira é muito difícil. Hoje você já chegou a um nível que as pessoas te colocam na lista dos grandes humoristas do Brasil. O reconhecimento veio, mas lá atrás, quando não era assim, já pensou em desistir da carreira?

Vitor: Cara, a gente pensa nisso todo dia. Mas se tem uma coisa bacana no Stand Up Comedy é isso. Acho muito engraçado quando alguém chega pra mim e pergunta isso, (sobre estar famoso), por que daí eu penso, “EU TO FERRADO POR QUE TA DIFÍCIL ATE HOJE” (risos).

O bacana do stand Up é isso, nós flertamos com o fracasso de frente, por que agente está só no palco, só agente.

É tipo se a piada não funciona, não funcionou o fracasso do show é certo. Então o julgamento é uma constante, o medo de não dar certo é uma constante e por aí vai.

Radar Capixaba: Quem foi sua inspiração para ingressar no universo do humorismo?

Vitor: Ninguém! Absolutamente ninguém. Minha história foi bem curiosa, meu início é bem diferente de outros comediantes, por que eu subi obrigado no palco.  

Eu estava com meus amigos do grupo de stand Up “Um pé na rede”. Eles insistiam muito para que eu começasse a fazer. Só que eu era formado em direito, e eu pensava que iria ser péssimo pra minha carreira como advogado, ter minha imagem associada como um comediante.

Em determinado dia, nós estávamos no show, e tinha um bar lá em Belém, pra quem não sabe, eu sou de Belém. E tinha um bar chamado Clube da Piada, e lá o microfone ficava aberto pra o público subir e falar.

Qualquer pessoa que quisesse podia subir no palco pegar o microfone e falar. Eu lembro que no dia me deram o microfone na mão e chamaram meu nome.

Eu subi no palco, contei uma piada, bem fraca bem piada mesmo, daí, o dono do bar gostou, e falou pra mim “volta amanhã”, e foi assim que eu comecei.

Radar Capixaba: E hoje, quais são suas referências no mundo do humor?

Vitor: De todos esses que eu trabalhei, eu falo que tem alguns que me inspiram muito. O Thiago Ventura é um deles, por que ele sabe administrar as redes sociais dele muito bem. E o Fábio Porchat, que pra mim é o maior exemplo de todos. Por que ele é um tipo de chefe que se envolve completamente no trabalho, e é um dos poucos que tem uma relação verdadeira com os funcionários.

 

PARA QUEM NÃO SABIA

Vitor Camejo, Murilo Couto e Osmar Campbell se conheceram nesse mesmo bar. Segundo o comediante, eles se encontravam por lá, e logo depois os encontros casuais fluiu e se transformou em amizade.

Ambos tinham o dom do riso, e foi ali mesmo que nasceu o primeiro grupo de comédia, antigamente intitulado como “Grupo do Murilo”, que mais tarda se chamará “Em pé na rede”.  

Camejo então se mudou pra São Paulo, capital que mais cresce em revelações de novos humoristas do Stand Up Comedy no Brasil.

Segundo ele, seu propósito era ficar só alguns dias pra fazer um trabalho. Mas conforme os dias iam passando, mais trabalhos iam aparecendo, e por fim o humorista acabou ficando de vez na capital paulista.

Em seu currículo, Victor Camejo leva grandes trabalhos ao lado de grandes ícones do humor brasileiro como: Danilo Gentili, Rafinha Bastos, Fábio Porchat, Fabiano Cambota, Thiago Ventura dentre outros.

 

Em primeira mão

No meio da entrevista, Vitor deixou escapar, que em breve ele estará de volta na equipe do Fábio Porchat, em um novo programa do canal a cabo GNT.

O programa tem previsão de estreia já para o mês de maio. E essa notícia foi dada em primeira mão para o Radar Capixaba.

 

BATE BOLA:

Fizemos o nosso ping-pong de perguntas, pra conhecer melhor o paraense Victor Camejo, e por sinal tivemos descobertas incríveis. Confere aí como foi:

Radar Capixaba: Um livro?

Victor: O GUIA DO MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS

Radar Capixaba: Um filme?

Victor: Birdman

Radar Capixaba: Uma novela?

Vitor: Cordel encantado

Radar Capixaba: Um comediante?

Vitor: Jair Bolsonaro

Radar Capixaba: Signo?

Vitor: Sagitário, o signo dos comediantes inclusive.

Radar Capixaba: Comida?

Vitor: Massa em geral.

Radar Capixaba: Gosto quando?

Vitor: O Teatro tá cheio.

Radar Capixaba: Odeio quando?

Vitor: Quando o teatro tá cheio e em silêncio.

Radar Capixaba: Religião?

Vitor: Minha família é evangélica, eu dei uma afastada, mas eu ainda me considero evangélico.

Radar Capixaba: Um lugar?

Vitor: Minha casa.

Radar Capixaba: Política?

Vitor: Vital

Radar Capixaba: Dinheiro?

Vitor: Muito Vital

Radar Capixaba: Família pra mim é?

Vitor: Apoio na minha vida

Radar Capixaba: Uma frase que te define?

Vitor: Eu sempre tenho definido meu epitáfio de quando eu morrer. Quero que coloque na minha lápide: “AQUI JAS VICTOR CAMEJO, FEZ O QUE PODE”.